Após o documentário da Netflix intitulado Privacidade Hackeada, que expõe como a empresa Cambridge Analytica manipulou os feeds de milhões de usuários do Facebook para afetar eleições em vários países, Brittany Kaiser ficou famosa por delatar a empresa na qual trabalhou um dia.

Nos últimos meses, ela mudou completamente de lado e iniciou a campanha #OwnYourData, defendendo que usuários de plataformas sejam donos de seus dados e sejam remunerados ao entregá-los.

Entre os dias 04 e 07 de novembro, foi realizado o Web Summit em Lisboa, capital de Portugal. Web Summit é uma conferência tecnológica que aborda diversos pontos da área, desde inovações até questões como proteção de dados. Desta forma, é natural que Kaiser tenha comparecido.

Conforme ressaltou a BBC em uma publicação do dia 06 de novembro, a ex-Cambridge Analytica pediu que anúncios com conteúdo político sejam retirados do Facebook (como recentemente fez o Twitter) e reforçou sua crença na capacidade da tecnologia blockchain de devolver o controle dos dados aos usuários da internet.

Conforme noticiou o portal de notícias português AD News, Kaiser afirmou durante sua palestra no evento que não se importa em ceder seus dados, desde que seja paga por isso:

“Se me derem 25% de desconto no almoço, não me importo de compartilhar os meus dados. Não é justo que seja o único produto do qual os consumidores não podem retirar qualquer lucro. Devemos ter a posse da nossa informação. Não podemos fazer muito em relação ao passado, mas é importante que possamos proteger o nosso futuro e o dos nossos filhos e netos.”

Ela então completa e menciona a tecnologia blockchain como uma possível solução para este problema:

“Se o Facebook investisse, poderia resolver o problema. Sou uma grande defensora do uso de blockchain e de encriptação avançada. Mas quem opta por uma transparência radical, como eu, deve ser remunerado por isso.”

Além do Web Summit, Brittany Kaiser também foi chamada ao evento Hong Kong Blockchain Week 2019 para falar sobre a tecnologia blockchain.

Leia também: Confira 15 ferramentas de privacidade online indicadas para leigos

VER ARTIGO ORIGINAL