Jeffrey Gundlach é o sócio da DoubleLine Capital LP, que é uma empresa de investimentos.

A Forbes estima que a fortuna pessoal de Gundlach gira em torno de US$ 2,2 bilhões (R$ 12,17 bilhões), conforme foi publicado na sua edição de 2020.

Assim, em entrevista recente, o empresário se mostrou receoso em relação ao mercado de investimentos dos próximos anos.

De acordo com Gundlach, o mercado de ações estadunidense vai derreter em algum momento dos próximos 18 meses. Além disso, o investidor é contrário ao investimento em Bitcoin (BTC).

Gundlach prevê a quebra do mercado de ações no futuro próximo

Na entrevista concedida à plataforma RealVision, o bilionário previu a derrubada do mercado de ações nos próximos meses:

“Se você quer ter ações estadunidenses, você deve comprar aquelas das grandes empresas de tecnologia. Porém, faça isso sabendo que você vai entrar num ‘banho de sangue’ se segurar essas ações por muito tempo. Você tem que ficar com o dedo no botão de saída, mas acho que essa é a sua única chance de fazer dinheiro.”

Vale ressaltar que o preço das ações brasileiras é sensível ao movimento que acontece no mercado de ações estadunidense.

Dessa maneira, caso o mercado de ações dos Estados Unidos derreta, é provável que o Brasil e os demais países do mundo sintam os efeitos negativos de uma possível crise econômica.

Gundlach prosseguiu sobre o mercado de ações estadunidense:

“Penso que, nos próximos 18 meses, o mercado vai despencar intensamente. Quando o próximo derretimento acontecer, acho que os EUA vão se transformar no pior mercado do mundo.”

Bilionário não confia em dólar ou Bitcoin

Em outro momento da entrevista, Gundlach criticou a moeda fiduciária estadunidense:

“Eu estou segurando uma posição de longo prazo em relação ao dólar. Apesar disso, eu não acredito nem um pouco nessa moeda. É um bom investimento para os próximos cinco anos. 

[…] Estou muito, muito pessimista em relação ao futuro do dólar, já que o déficit público dos EUA está crescendo e há o prospecto de mais inflação. No futuro, é possível que eu aposte contra o dólar.”

Ademais, o investidor também criticou o Bitcoin e aparenta não considerar o investimento na criptomoeda:

“Eu não acredito no Bitcoin. Acho que é uma mentira. Penso que é extremamente rastreado, não acredito que seja anônimo. Mas não sou um ‘hater’ do Bitcoin. 

Prefiro coisas que eu consigo colocar no porta-malas do meu carro. Prefiro o meu ‘Mondrian’ [quadro do pintor Piet Mondrian] na parede do que uma entrada digital que possua o mesmo valor.”

Leia também: Investidores institucionais farão Bitcoin disparar, defende empresário

Leia também: Taxas do Bitcoin aumentam no terceiro trimestre de 2020

Leia também: Fita cassete valoriza 18.465% após ser tokenizada

VER ARTIGO ORIGINAL